Renda Extra: Brainstorm de Ideias de negócios


#14

@pedro0986 movi seu post para esse tópico, ok? Como ele não é online, não cabe no outro…

Oi Pedro, tudo bem?
O problema das franquias, e uma época eu andei estudando várias, pedi a Circular de Oferta de Franquia de algumas, visitei unidades em operação, pelo menos duas delas me abriram a contabilidade… mas então, o problema delas é que, ÀS VEZES, NÃO É SEMPRE, a taxa de franquia pode estrangular o negócio.
Uma franquia que visitei, de escola de cabeleireiro, o cara me abriu a contabilidade. Tinha 3 anos de operação e estava operando com lucro zero. Isso mesmo. Foram 2 anos de prejuízo e o 3º ano ele estava feliz porque estava zerado.
Porém, você pensa: é a fase em que o negócio está se consolidando… depois daria lucro… etc.
Mas não sei… nem eu (e nem ele, dava para sentir) via mais chances de o faturamento subir.
A última tacada dele era mudar para um ponto comercial mais barato e tentar manter o faturamento, essa era a ÚNICA esperança que ele ainda tinha de o negócio dar certo.
Além disso, tem várias franquias por aí que “brotaram” no boom das franquias, de modelos de negócios que sequer consolidados são. Criaram-se fábricas de franquias: o cara senta, cria uma logomarca, um roteiro básico de fazer as coisas ou de fornecedores, abre uma lojinha e já sai vendendo a franquia.
Cuidado com essas.

Franquia, para valer a pena, precisa de ao menos um dos três:

  • modelo de negócios único
  • know-how (ou:)
  • marca forte

A marca forte, conhecida nacionalmente, tipo Boticário, atrai por si só os clientes. O que você paga de taxa de franquia, nem se você gastasse em publicidade geraria tantos clientes. O problema é que toda bimboca já tem Boticário. Se você descobrir uma bimboca sem Boticário, aí pode valer a pena.
Enfim, pode procurar franquia, mas NUNCA entre em uma sem antes conversar com 2 ou 3 franqueados de outras regiões. Peça uma lista, se não derem, é mal sinal…

Abs


#15

Como eu disse nesse vídeo, uma das maneiras de ter boas ideias é ter uma por semana:

Nessa semana eu fiquei com vontade de abrir uma Escola de Mergulho em Lavras/MG ou na região (sul de Minas).
Não há escola de mergulho por essas bandas e uma amiga minha teve que se deslocar a BH para fazer um curso de 1 semana.
Lavras tem a UFLA, com 17 mil alunos, o que é um baita público potencial.
O problema, para saber a viabilidade, seria pesquisar o poder aquisitivo desses alunos. Pois há o mito do universitário “quebrado”, mas eu nunca soube se isso é verdade, ou não (pois os pais podem não ser).
Além disso, em cidade universitária (em Lavras mesmo, como exemplo), embora sejam cidades cheias de quitinetes para alugar, não há um imóvel do tipo que seja temático de aventura.
Como assim? Um imóvel com térreo com lojas de aventura (por exemplo: escola de mergulho, casa de sucos/lanches, loja de equipamentos de trekking, etc.) e em cima as quitinetes (as que não estiverem locadas podem entrar no esquema de hostel).
Em termos de visual/estilo, pensei no Che Lagarto (franquia de hostels bem conhecida).

Bom, essa foi a ideia da semana.
Qual foi a sua ideia nessa semana?


#16

Show de bola! Muito bom saber sobre esse seu ponto de vista e agora me sinto mais capaz de estudar esse tipo cenário. Tenho o sonho de abrir um negócio pra mim e estou avaliando muitas situações sem ter que dar um aporte tão grande.


#17

Obrigado pelas dicas @eduardinho! Realmente esse condomínio de 1.000 é muito pesado. Vou pesquisar sobre aluguel na região para ver quanto conseguiria de spread e comparar com a opção de vender e comprar. Abraços e parabéns pelo trabalho!


#18

Exatamente! Tempo é um recurso escasso na vida de adulto! Hoje penso 10 vezes antes de embarcar em qualquer projeto, o tempo de dedicação é sempre a maior barreira.

Grande Abraço


#19

Essa semana pensei duas coisas relacionadas a imóveis. Uma o velho comprar algo que não está muito legal e reformar para poder vender a preço de mercado e a outra coisa seria uma uma espécie de manutenção para residências. As casas estão cada vez mais com mais sistemas (bombas, solar, monitoramento), mas o usuário comum parece estar desassistido, perdido na hora de resolver. Os contras são que o preço teria que ser bem em conta para o usuário residencial comprar a ideia (o que pressionaria a margem), tendo que crescer em volume, necessidade de mão de obra confiável e treinada para executar o serviço e por aí vai…


#20

Pachecoene, bom dia. Meu amigo, eu investiria em FIIS se fosse comprar casa para reformar.
Ano passado ganhei livre 44%, sem nenhuma dor de cabeça. E estou falando só da valorização, nem computei ai os valores recebidos na forma de aluguel das cotas. Agora com a queda da Selic talvez as cotas estejam realmente muito mais caras para quem quer entrar, o Eduardinho poderia nos orientar. Na verdade agora já estou pensando em vende-las e aguardar o novo topo Selic.
Manutenção, sempre será necessária, mas aqui no Brasil contar com a mão de obra (índole e moral) das pessoas é terreno acidentado com certeza. A não ser que você e só você for o prestador de serviços, ai sim sua demanda nunca terá fim.
Espero ter ajudado.
Um forte abraço
Marcos Sales


#21

Marco Sales, é isso mesmo, por enquanto o “I” da minha carteira irá para FII mesmo (também acho que agora não é o melhor momento para entrar). Como premissa estou focando em investimentos para só depois partir para negócios. As duas ideais acima foram como exercício de Brainstorm, o tempo está sendo o limitante para o momento, por hora somente formação de capital.

Um abraço,
Guilherme Pacheco


#22

Olá gente,

Eu saí de Fiis um pouco adiantado é verdade, mas foi pra entrar em ações e acabei ganhando mais. Aguardando a Inversão da Selic para recomprar os fiis.

Grande abraço


#24

Oi @pachecoene É, essa oferta que você pensou em fazer, do serviço de manutenção total de equipamentos modernos é algo que promete muito.
Antes, qualquer um cuidava da própria casa, chamava um bombeiro/encanador, um pedreiro, etc.
Com as casas usando tecnologia (energia fotovoltaica, sistemas usando Arduino e Raspberry PI, e a internet das coisas que vem por aí) o mercado é promissor.
Porém: o mercado ainda é pequeno (embora crescerá exponencialmente) ou seja, quem entrar agora terá que saber esperar uns bons anos consolidando marca…
E não é fácil oferecer serviços nessas áreas, porque a mão de obra é qualificada.
Agora, quanto às margens, acho que pela falta de concorrência, não são pressionadas, mas boas. O problema seria justamente o tamanho do mercado.
Se é que estamos pensando exatamente o mesmo nicho.
Abs.


#25

Oi @MarcosSales realmente contar com mão de obra no Brasil exige um perfil ZEN…rsrsrsrs…

Acho que precisa de 2 perfis: ou o cara é muito estressadão e é “bruto” com a mão de obra e aí ela anda pianinho de medo desde o começo e aí as coisas funcionam, porque a turma anda na linha “na marra”. Mas o difícil é ser assim no dia a dia, tem que ter perfil.

Ou o cara é o oposto, é relax e contabiliza o desleixo dos funcionários como custo Brasil e tenta equilibrar a matemática financeira levando isso em conta.

De todo jeito, dá trabalho.
Com relação a “comprar casa para reformar” x “FII”, eu não tenho um vencedor.

FII não dá 44% todo ano, só na queda da Selic. E quando a Selic sobe, eles podem até ficar no zero ou ter negativo.
“Comprar e reformar”, incorporar e várias outras técnicas com imóveis são negócios (e não investimentos financeiros) e podem render de 20 a 40% todo ano. É claro que no começo o cara tem uma dificuldade para montar uma equipe boa (ou seja, não é começar e tudo são mil maravilhas) mas com o tempo as coisas se ajeitam.
Por outro lado, o tempo que o FII te toma é um e o tempo que o negócio imobiliário é outro, mil vezes maior. A diferença de ganhos expressa esse tempo dedicado.

Enfim, para mim não dá para comparar investimentos financeiros versus negócios reais. Abs.


#26

Duas ideias de negócio que tive esses dias:

  1. Recebi ligações de uma empresa maldita de telemarketing e pensei: "pô, poderia ter um App que fizesse um blacklist dos números dessas empresas e já bloqueasse para mim a chamada…"
    A ideia era um tanto óbvia e pensei: já deve haver um app assim, não é possível.
    Aí pesquisei e vi que tinha. Pronto, a ideia nasceu e morreu em 30 segundos.
    Mas o importante é ter a mente treinada para ter as ideias, mesmo as óbvias. Tenho 2 projetos de app que pretendo desenvolver (depois eu falo quais aqui) que seriam óbvios, mas que ninguém ainda fez.

  2. Outra coisa é uma matéria da FSP que li: sobre Glamping.
    https://www1.folha.uol.com.br/turismo/2018/02/camping-de-luxo-e-opcao-para-quem-nao-quer-abrir-mao-do-conforto.shtml
    Acho que esse nicho vai bombar na próxima década. A margem é alta e o custo com estrutura, embora não seja pequeno (tendas, etc.), é muito menor que com construções convencionais.
    #ficaadica


#27

Penso muito no futuro comprar um terreno e fazer isso.
Embaixo espaço para Lojas em cima Quitinete.
O foco era estudantes, trabalhadores, mas pelo fato de morar numa cidade turística Natal/RN seja uma boa ampliar esses horizontes.
Ideia de aventura/turismo é massa.
Tem um projeto aqui também de interditar uma pista no final de semana para prática de atividade física.
Seria massa alugar patinetes/ patins/ bikes (já vi que tem algum aluguel desses equipamentos). Mas tá meio parado ultimamente…
Gostei muito desse brainstorm.


#28
  1. O Contacts+ acabou com minhas dores de cabeça por conta dessas ligações spam ! Bela ideia

#29

Tive 1 ideia!!! rss…Um aplicativo tipo o buscapé e outros que comparem produtos pet e nos encaminhe para as lojas. O buscapé até oferece esse serviço, mas acho q um específico seria mais legal…


#30

Bacana sua idéia @nadiatrindade1

pesquisando um pouquinho vi esse site http://www.comparepetshop.com.br/, ainda não foi lançado, mas parece que terá um objetivo parecido.

Hoje é difícil ter algo que alguém já não tenha pensado a respeito…


#31

Sobre a discussão de ganhar dinheiro com desenvolvimento de aplicativos. Alguém aqui do grupo tem alguma experiência para compartilhar onde realmente ganhou dinheiro com isso? Algumas pessoas desenvolvem apps sob encomenda e ganham pelo projeto, mas por meio de banners de propaganda ou venda do app nas stores não seria necessário um número muito grande de usuários?


#32

Boa noite pessoal, me inscrevi hoje na plataforma! Estou me adaptando! Já vi que tem bastante assuntos interessantes! Eu tenho interesse de me aprofundar na questão de afiliado! Se alguém quiser trocar idéias sobre o assunto, estarei por aqui! Obrigado


#33

Olá Rafael.

Eu também estou com interesse nesse assunto. Estou vendo os vídeos do Eduardinho, vendo alguns cursos e buscando uma forma de atuar como afiliado de uma forma bacana sem a mesmice que eu vejo por aí.


#34

Olá Fabiana,

Obrigado pela resposta.
Você já tem um conhecimento nessa area?
Quando vc se refere à mesmice, oq vc quer dizer?

Agradecido.