Renda Extra: Brainstorm de Ideias de negócios


#42

Oi @paulocmartins tudo bem?
Eu pensei até mesmo em um meta-crowdfunding, ou seja, um crowdfunding para lançar uma plataforma de crowdfunding, que tal? (quem participasse teria um pedacinho da empresa…)
Bom, eu preciso de gente para as tarefas, mais do que por dinheiro.
Mas é claro que dinheiro também paga gente que faz tarefas.
A princípio dinheiro ou gente seria equivalente, mas não é.
Preciso de alguém para inclusive gerenciar as coisas.
Com relação ao negócio, seria um Urbe expandido, com algumas operações que eles hoje não fazem e que seriam um baita diferencial. Se der certo, arrasaremos!
Com relação a uma parte sensível do negócio, conversei recentemente com o CEO (isso mesmo, o CEO) de um banco e ele disse que está aberto para uma parceria caso a gente desenvolva a plataforma e apresente a eles a plataforma prontinha, faltando só uma API para integrar com o sistema deles. Deu motivação boa.
Mas me conta mais o que você pensou…
Abs.


#43

Oi @Fabiana tudo bem?
Irretocável o que você disse.
E tem alguns esses grandes players que dão asco mesmo quando vêm com aquela balela de que só querem ajudar.
Com relação à promoção de cursos de outros que fiz, um dos motivos é que o Carteira Rica está sem entradas há quase 3 meses (travei as inscrições em cursos até reformulá-los) enquanto tenho despesas fixas: salário da Elis, do Michael, VPS, mail server… custos fixos do Carteira Rica passam de 6 mil reais/mês. Com zero de entrada, é uma situação que dá para levar um tempo, mas tenho que ver se faço uma entradinha de caixa.
Voltando aos afiliados: agora me parece que há 2 tipos de situações:

  • o cara top player que só quer ganhar dinheiro, vem com a balela de ajudar e tal e no fim das contas vende porque cria uma “atmosfera de sucesso”. Ele subliminarmente mostra que é bem sucedido, faz eventos ao vivo, tem muitos depoimentos que dizem que o curso dele é muito bom e tal.

  • o pequeno iniciante, que PECA FEIO por focar em ganhar dinheiro logo no início, em vez de focar em criar um público. Por isso os projetos não decolam, o cara criou um blog ou canal há 1 mês, tem 200 inscritos ou visitantes e começa a forçar vendas… ele deveria se concentrar em oferecer informações úteis e formar um público cativo. Rentabilização é o último passo. Afobação para ganhar dinheiro acho que é o erro mais grave dos iniciantes.

Aqueles que estão focados só em ajudar são raríssimos, um em mil ou menos. Aqueles que querem ajudar e em troca disso ganhar um dinheiro são poucos, uns 5 a 10%. Mas 90% só quer ganhar dinheiro mesmo.
Abs.


Ganhar dinheiro na internet funciona ou é balela tipo pirâmide?
#44

E por que não criar um grupo aqui para fazer uma sinergia para consecução desse empreendimento que você tem em mente?
Exponha a ideia que sabe outros participantes do fórum a comprem e se junte para fazer acontecer o projeto.


#45

Ola, moro em uma cidade universitária com aproximadamente 20.000 habitantes, estou com apenas 10 mil reais para fazer algum investimento q gere renda mensal, queria ajuda com ideias sobre investimentos

Minha cidade atual é Matipó MG, sou estudante de agronomia
Agradeço desde ja!


#46

Pessoal. Minha esposa fez um aplicativo protótipo chamado Vizinharia. Achou q não teve os resultados esperados aqui no meu condomínio e desistiu um pouco da ideia. Queria a opinião de vcs se sobre o aplicativo e se vale a oena continuar pensando nele. Ele é apenas um protótipo caseiro, como o Eduardinho disse, pesquisamos e um app não sai por menos de 100 mil.

É um app para negócios entre um condomínio. Pessoas q vendem marmitas, artesanatos, marido de aluguel etc. Além disso, as pessoas divilgam se é advogado, dentista etc. Normalmente procuramos indicações, achamos q seria bom saber se no seu prédio tem esses serviços…
O app teria tbém empréstimos e doações entre vizinhos além de poder avaliar e conversar/solicitar serviços direto pelo app.
O diferencial é vc saber exatamente em qual condomínio da proximidade ou no seu vc poderá encontrar o que precisa e com indicações de seus próprios vizinhos.
Da pra acessar por aqui sem precisar baixar o aplicarivo na loja do google:

http://m.app.vc/vizinharia

Vejam o que acham e podem opinar com sinceridade. Mto obrigado.


#47

Olá, @eduardinho. Estou dando meus primeiros passos nesses assuntos de startups, crowdfundings, fintechs,etc, e ainda não tenho uma grande ideia que possa vir a ser um unicórnio (rs). Acredito que a StartMeUp já está nessa de aglutinar recursos para startups. Lendo os posts dos companheiros de capitool, verifico que que muitos estão ansiosos para saber a grande ideia do mestre.


#48

Olá pessoal tudo bem com vocês? Então eu vi o vídeo do @eduardinho e achei muito legal a abordagem. No momento estou trabalhando forte em um sistema de classificados no qual quero inovar. Eu gostaria de saber se tem alguém que trabalha nesse ramo de atividade, se empreende com a vende da anúncios classificados. Seria uma boa compartilhar informações sobre essa área, estou com algumas experiências que posso compartilhar.

Grande abraço a todos


#49

Olá pessoal. Constatei que ainda não foi mencionado o nicho das LICITAÇÕES para pequenos e microempreendedores. A meu ver, além de estarmos contribuindo para a ocupação de uma área historicamente apropriada por grupos corruptos e cujo interesse passa longe do público, entendo que esta área pode ser muito promissora nos próximos anos se vislumbrarmos que o país está saindo de um ciclo intervencionista com escolha de poucos campeões nacionais. Nesse sentido, para aqueles que imaginem se tratar de nicho muito restrito e de difícil acesso, sugiro que deem uma olhada no canal do youtube do professor Rodrigo Paiva. Ele é AGU e destrincha o tema de licitações, mas de uma forma direcionada para o empreendedorismo (MEI). Quero consignar que faço essa indicação tão só pelo fato de o cara ser bom mesmo e eu achar que precisamos ocupar esses espaços se quisermos um país melhor.


#50

O que você procura num parceiro para lançar um concorrente ao Urbe? Posso ser candidata…


#52

Pessoal, uma que estive pensando seria em um aplicativo, estilo Uber, para veterinários atenderem em casa. Tipo, seu cachorrinho não está bem, você solicita um veterinário e ele vai a tua casa, e tudo pago no app. Há clinicas pet em SP que fornecem o Home Care, poderiamos até fazer parcerias e essas clinicas disponibilizaria seus profissionais no app.

Uma ideia…


#53

Oi @Welliton, minhas ideias não são segredo.
Uma delas é transformar o Capitool em uma ferramenta global de gerenciamento de carteira de investimentos, além de comunidade de investidores. Mas a parte da programação disso tudo está andando bem lenta. Não tem nada parecido no mercado.
A outra seria um concorrente do Urbe, um crowdfunding imobiliário. Para esse, eu precisaria de me unir com alguém que tivesse trânsito entre incorporadoras/construtoras para fazer captação de projetos.
É claro que a descrição está bem abreviada e não apresenta os diferenciais que tenho em mente, mas seria basicamente isso daí.
Abs


#54

Oi @michaeltcoelho a ideia é boa, principalmente se a pessoa estiver em trânsito (viajando).
Normalmente, estando na própria casa, a pessoa já costuma ter um vet. de confiança e hoje todo pet shop busca os pets em casa.
Mas se a pessoa está fora de sua cidade com o cachorro, aí ela fica totalmente perdida. Se ela tem o app, aí o app indica o vet da região.
A questão é só saber o tamanho do público (pessoas que viajam com cães). Seria esse mesmo o diferencial?
Qual o diferencial para quem não está viajando e, normalmente, tem um pet shop próximo que busca o cão qdo preciso?
Abs.


#55

Oi @alineamaral eu preciso de um parceiro que faça captação de empreendimentos.
Como funciona a Urbe hoje:

O incorporador orça a obra a 3.000/m2 e estima o valor de venda na região por 6.000/m2 (por exemplo). Então a Urbe vem com o crowdfunding das pessoas comprando o m2 por 4.800, por exemplo. Vamos supor, o incorporador leva 4.500 e 300 vão para a Urbe.
Quem participa do crowd sai ganhando, porque se a obra durar uns 2 anos, dá aí uns 12% de ganho ao ano (25% de ganho em 2 anos, 6 mil dividido por 4,8 mil). A Urbe sai ganhando (os 10% dela) e o incorporador sai ganhando, pois vendeu na planta, com algum ganho e financiou a construção. O incorporador realizou a alavancagem, o que aumenta o ROE dele.

Eu tenho público para lançar um crowd concorrente, tenho desenvolvedor de software e ideias de alguns diferenciais que a Urbe hoje não oferece.
O que não tenho: parceiro que toque o dia a dia da papelada burocrática e que leve esse tipo de proposta aos incorporadores (com uma apresentação e demonstrando a vantagem para eles) com vistas a captar projetos para um site assim.
Seria desejável do parceiro: conhecimento jurídico do setor imobiliário, familiaridade com o mercado imobiliário (engenheiro ou arquiteto, por exemplo) e disposição para fazer pitch nos parceiros potenciais.
Seria basicamente isso.


#56

Oi @b.rebelo, eu conheci um senhor que trabalhava justamente com licitações. Era um empreendedor de licitações.
A prefeitura (em geral, mas também outros órgãos) queriam comprar papel, ele ia lá e abria uma empresa só para isso e participava. O órgão queria terceirizar portaria, ele ia lá e abria uma empresa para esse serviço.
Ele ganhava várias (aquelas que não eram de interesse de alguém que já estivesse combinado com o órgão). Uma vez, por exemplo, a licitação para distribuir os talões de rotativo (faixa azul) na cidade de BH.
Então comprou umas kombis, pegava os talões na gráfica que ganhou a licitação, estocava e diariamente as kombis entregavam nos pontos: bancas de jornal, pequenos comércios, etc.
Depois a licitação vence e você tem que desmobilizar tudo aquilo… por exemplo, vender as kombis, devolver o imóvel onde estocava o material (se não for próprio ou não for usar para outra licitação, etc.).

  1. Dá dinheiro? Dá. Porque aquilo que vale 1, quando é vendido para o governo, cobra-se 2.

  2. Dá um trabalho descomunal, pode ter certeza.

  3. Você não tem ideia de como o ramo é escroto. Você vai oferecer o melhor preço e eles vão te desclassificar porque já estão “combinados” com outro licitante. Você vai descobrir como 99% dos prefeitos fazem compras: "Bom dia, quanto vou ganhar se a prefeitura adquirir o seu serviço?"
    Um primo da Liz trabalhou em uma empresa que prestava serviços de digitalização de docs para as prefeituras. Ele ia com o diretor às prefeituras oferecer o serviço e ele acabou pedindo demissão da empresa por medo. Era desse jeito, antes de sentar na cadeira o prefeito pergunta quanto vai levar.
    Essa ideia de que a lava-jato limpou o país é balela.
    Licitação que vai para a concorrência de verdade é só o “fumo” (as ruins). E, se vão para a concorrência, então a sua margem será pressionada (pela possibilidade de ofertas melhores dos concorrentes) então você tem que ter um cálculo EXATO dos seus custos para não ganhar por um preço e depois, quando começar a trabalhar, não descobrir que está no zero ou no prejuízo.
    Enfim, é um ramo para 1) Pessoas organizadas e metódicas com custos; 2) Estômago de avestruz para suportar o que os outros farão; 3) Com muito ânimo para topar qualquer parada (cada dia a licitação é para um serviço diferente).
    Eu “canso” só de lembrar da trabalheira e correria que esse meu amigo tinha. Mas lembrando, pode dar dinheiro, sim.
    Abs.


#57

Oi @igormrs, infelizmente, não conheço nada de classificados… Agora, se pensarmos de maneira ampla, até um Booking, um Airbnb, Decolar não passam de classificados temáticos e turbinados de tecnologia. Se você está pensando em um site de classificados assim, aí pode ser promissor…
Pessoal, alguém do ramo poderia dar opinião?
Abs.


#58

Oi @paulocmartins eu não conhecia o Startmeup, só um concorrente deles, o Broota.
Achei o startmeup mais direto, você entra e vê ofertas, o site do broota é meio burocrático, não estão pensando muito em usabilidade.
Bom, é algo a se pensar, talvez seja uma alternativa. Abs.


#59

Olá Rafael, eu também sou novo nesse forum e comecei a trabalhar como afiliado em uma plataforma, como estou no início podemos trocar ideias e um ajudar o outro de alguma forma.


#60

Pessoal, estão interessados em empreender? Então vamos fazer um workshop com algo real? Vamos lá:
Eu tenho alguns sites, só o Carteira Rica é do Eduardinho, os outros são anônimos. Hoje em dia, nenhum deles é rentabilizado. O único que era, o Carteira Rica, como sabem, qualquer renda futura será doada, como menciono lá no site, para a causa que defendo.

Mas então aqui vai o exercício, estou curioso pelas respostas…

Um dos meus sites é esse daqui: http://fazcurriculo.com

Com o tempo, ele foi ganhando credibilidade no Google e ele teve 84 mil visitas no último mês. Está quase alcançando 100k mensais, então já tem um público considerável e já dá para rentabilizar.

https://www.similarweb.com/website/fazcurriculo.com

Ótimo que, como é um site estático, não me dá trabalho nenhum. Eu tive um blog anônimo que me dava 3 mil por mês, mas eu tinha que escrever todo domingo de manhã, acabei abandonando. Esse Faz Currículo é ótimo, desde que criei, não coloquei a mão, ele roda sozinho.

A pergunta que vou lançar é: vou rentabilizá-lo agora. Como?

Quero ouvir as sugestões de vocês e vamos construir juntos a estratégia. Vocês poderão ver na prática como as coisas são feitas, que tal? Workshop gratuito!

Existem opções básicas:

  1. Lascar um espaço de Google Adsense acima do local de preenchimento do currículo
  2. Colher os emails de quem preenche e fazer uma lista? Atualmente nem isso eu faço…
  3. Afiliar a um infoproduto do Hotmart sobre ganhar dinheiro na internet (FNO, Férias sem fim, Tiago Bastos, etc.) e divulgar lá
  4. Buscá-los para minha lista de emails do Carteira Rica? O problema é que eu falo muito de investimentos, mas o público do site não tem dinheiro, prestem atenção nisso…
  5. Eu criar um infoproduto sobre empreendedorismo?

É essencial entender o público do site para propor uma boa resposta.
Está lançado o desafio, quero ver o que têm a dizer e vocês poderão acompanhar o processo.

#workshoprendaextra


#62

**** Nesse caso, um ótimo parceiro para você poderia ser o Arthur Vieira de Moraes… Ele parece ser uma pessoa bem acessível a ouvir sua proposta.


#63

Acredito que seria de melhor benefício para a sociedade um infoproduto sobre empreendedorismo…5

Mas por que não também 1 e 3? Os três não se excluem…